Você sabe quem é o fabricante do seu violino?

etiquetas_luthiers

 

Quando você olha pela abertura em “f” de um violino (ou outro instrumento de cordas) a etiqueta que você vê pode te dizer várias coisas – às vezes até diz que você é o fabricante!

É claro que, supostamente, dirá quem é o fabricante do violino, mas as etiquetas nem sempre dizem a verdade. Vamos pegar, por exemplo, um violino “Stradivarius” –  um violino de fábrica da Alemanha da virada do século XX que, obviamente, não foi feito pelo grande mestre italiano. É muito comum quando você olha para uma etiqueta como a abaixo, começar a sonhar que tem em mãos um Stradivarius autêntico, afinal de contas a etiqueta não menciona que é uma cópia.

Stradivari-etiqueta_fake-1

Outras etiquetas são um pouco mais confiáveis; podem mostrar um grande fabricante como Stradivarius, mas depois de uma inspeção mais detalhada, eles incluem palavras como “cópia de” ou “feito na Tchecoslováquia”.

Stradivari-etiqueta_copia

É melhor, claro, quando o rótulo simplesmente lista o verdadeiro fabricante, afinal seria bom saber quem foi o real fabricante do instrumento pela assinatura da etiqueta que vai dentro.

Quando se trata de violinos mais velhos, não é incomum para um violino simplesmente ter uma etiqueta  “falso” que alguma loja de violinos colocou dentro do instrumento há muito tempo, para não correr o risco de que o instrumento venha a passar por algo que não é. Às vezes, o negociante de violino pode dizer, apenas com base nas características do violino, quem realmente fez, mesmo se o rótulo estiver errado. Certamente, isso complica o seu valor, mas não é algo tão ruim para um bom violino.

Para muitos instrumentos de estudante, a etiqueta diz o modelo do violino, ou a empresa que o fez.

E o seu instrumento? O que a etiqueta lhe diz – ou não? Ela mostra um luthier, um modelo ou uma empresa? Será que isso reflete quem realmente fez o violino, ou ela só dá algumas pistas?

Utilize os comentários abaixo para nos contar alguma curiosidade, observação ou detalhes interessantes sobre o assunto.

 

Fonte: http://www.violinist.com/blog/laurie/20172/21008/

Comentários

comentários